20 de setembro de 2012

Divisão das rotinas do treinamento: Uma variável essencial para o alcance de excelentes resultados. (PARTE 1)


A divisão das rotinas do treinamento, sem dúvidas, é uma variável essencial para o alcance de excelentes resultados dentro da periodização do treinamento. Lembrando de que é uma das funções específicas do treinador ou personal trainer que trabalha com musculação a montagem da periodização independentemente do objetivo do aluno. Portanto se você quer alcançar ótimos resultados procure ter um acompanhamento de um ótimo profissional e não de pessoas que são leigas no assunto. 

Antes de começarmos a entender melhor sobre a importância da divisão das rotinas de treinamento, quero deixar claro que existe um dos sete princípios científicos do treinamento esportivo chamado de INDIVIDUALIDADE BIOLÓGICA que é fundamental para o sucesso de qualquer planilha de treinamento. Todos nós somos seres humanos diferentes um dos outros, consequentemente únicos e com objetivos e condições físicas totalmente distintas. Portanto baseando-se nesse único princípio conseguimos concluir que dentro do treinamento NÃO existem fórmulas mágicas que farão todos responderem fisiologicamente da mesma maneira perante aos estímulos causados pelo treinamento. Se duas pessoas estiverem realizando o mesmo treino com a mesma intensidade e volume terão com certeza resultados e respostas fisiológicas distintas, pois são diferentes umas das outras.

Dentro de uma periodização na musculação existem inúmeros fatores e variáveis a serem analisadas para que o aluno consiga continuar evoluindo e obtendo resultados satisfatórios, dentre elas está à divisão das rotinas do treinamento, peça fundamental no meu ponto de vista para que a periodização da musculação se torne completa e eficaz. Muitos alunos e alunas na academia (na maioria das vezes sem orientação) chegam para treinar e se perguntam: Hoje eu vou treinar o que? Quais músculos? Qual rotina de treinamento?

E na maioria das vezes percebo que as pessoas sem orientação treinam realmente só o que gostam de fazer, ou o que tem mais facilidade, na maioria das vezes as mulheres treinam excessivamente coxas e glúteos e os homens peitorais, tríceps e bíceps são as musculaturas mais cotadas. UM ERRO FATAL! Mas afinal quais as consequências dessas decisões erradas?

A resposta é a seguinte: Na maioria das vezes as musculaturas mais estimuladas (como as citadas nos exemplos acima) se desenvolvem até certo ponto, pois o grau desse desenvolvimento irá depender de inúmeros fatores como, por exemplo, um bom descanso (anabolismo muscular) e também uma boa alimentação. Mas na maioria das vezes, na prática, infelizmente o desenvolvimento muscular se torna pequeno comparado com o aparecimento de lesões em articulações e tendões a curto médio prazo devido à má distribuição das rotinas do treinamento. Além disso, percebe-se que a maioria dos praticantes de musculação que não possuem uma boa orientação profissional desenvolvem inúmeros desequilíbrios musculares também devido a má distribuição das rotinas e a ausência do fortalecimento das musculaturas estabilizadoras que constituem o CORE (reto abdominal,iliopsoas,eretores da coluna, glúteos médio e máximo e isquiotibiais).

Não importa se o aluno tem como objetivo ter uma melhor qualidade de vida ou virar um superatleta, para que o treinamento continue oferecendo resultados benéficos e evolutivos a distribuição das sessões do treinamento deve ser realizada sempre! 

Na parte 2 dessa matéria iremos discutir sobre as divisões das rotinas x supercompensação, Músculo agonista x antagonista, sinergismo muscular e darei dicas sobre a divisão das rotinas para alunos iniciantes, intermediários e avançados na musculação!





Postar um comentário

Por favor ... deixe seu comentário.