15 de maio de 2012

As últimas 5 trocas inteligentes para a sua saúde



imap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gifChocolate

                                                          ao leite pelo

                                                          amargoimap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gif

16 Chocolate ao leite pelo amargo O doce de cacau se notabilizou como um amigo do sistema circulatório. Mas não é todo chocolate que, de fato, prova sua amizade às nossas artérias. O tipo que merece respeito é o amargo. “Ele possui menos gorduras saturadas que o branco e a versão ao leite”, afirma a nutricionista Vanderlí Marchiori, colaboradora da Associação Paulista de Nutrição. “Sem falar que fornece catequinas, substâncias que ajudam a sequestrar o LDL e impedir sua oxidação”, diz. Mas fique atento ao rótulo: amargo de verdade tem mais de 60% de cacau em sua composição



imap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gifChocolate

                                                          ao leite
 pelo

                                                          amargoimap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gif

17 Sal por ervas e alho Está em suas mãos uma maneira de preservar os vasos sem deixar a comida ficar insossa: em vez de exagerar no sal, ingrediente que patrocina a hipertensão, use a imaginação e as ervas aromáticas, além de alho. “Ele tem compostos capazes de controlar o colesterol”, exemplifica Vanderlí. E ervas como o orégano e o alecrim merecem ser convidadas à cozinha por causa do seu poder de fogo contra a oxidação, um fenômeno que, você já sabe, não poupa o LDL, tornando-o ainda mais danoso para as artérias. Mas essa ação pode minguar quando os ingredientes são expostos a temperaturas elevadas. Procure acrescentá-los nos minutos finais do cozimento.



imap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gifChocolate

                                                          ao leite pelo

                                                          amargoimap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gif

18 Frango com pele pelo frango sem pele Muita gente pensa que basta despir uma coxa de frango assada no prato para se livrar de um boom de colesterol. Ledo engano. “Retirar a pele é, sim, fundamental, mas isso deve ser feito antes de levar a carne ao fogo”, esclarece a nutricionista Cláudia Marcílio, do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, em São Paulo. “Quando submetidos ao calor, a gordura saturada e o colesterol da pele conseguem se dissolver e penetrar na carne”, justifica Ana Maria. Aí, será tarde…



imap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gifQueijo

                                       
                   pelo tofuimap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gif

19 Queijo pelo tofu A intenção não é jogar mais pedras sobre o parmesão, o provolone e até o minas, mas abrir espaço ao tofu, que é feito de soja. Ele é uma preciosidade porque concentra o que o grão tem de melhor: proteínas e isoflavonas. “A proteína da soja aumenta a atividade de receptores que colocam o LDL para dentro das células e inibe a principal enzima responsável pela produção de colesterol”, explica a nutricionista Nágila Damasceno, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. E as isoflavonas não só potencializam a queda do LDL como evitam sua oxidação.



imap://marcos%2Ehuyer%40gmail%2Ecom@imap.googlemail.com:993/fetch%3EUID%3E/INBOX%3E40752?part=1.3&filename=ATT00060.gifPipoca
                                                         
 de

                                                          micro-ondas

                                                          pela de

                                                          panela

20 Pipoca de micro-ondas pela de panela Faz toda a diferença investir um tempo a mais para estourar o milho no fogão. “É uma forma de controlar a quantidade de gordura no preparo, porque no produto de micro-ondas ela já é fixa”, argumenta a doutora em ciência dos alimentos Maria Cristina Dias Paes, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, em Sete Lagoas, no interior de Minas Gerais. A versão que ganha na praticidade perde pontos porque carrega ácidos graxos saturados e trans. “Na panela, dá para usar um óleo mais saudável, como o de canola”, diz Cristina. Daí, você aproveita as fibras do milho, deixando seu colesterol em paz.





Um comentário:

  1. Gostaria de elogiar o conteúdo do blog, sou da área de saúde e gostei e compartilhei as dicas.

    Caco Ribeiro

    http://www.bizarrabiologia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Por favor ... deixe seu comentário.