5 de março de 2012

10 erros que fazem engordar e prejudicam a saúde - PARTE 1




Fazer seis refeições por dia, cortar os doces, comer frutas e verduras. Tudo isso, na teoria, está na ponta da língua da maior parte das pessoas. No entanto, na vida prática, nem sempre é simples manter o peso ideal a partir de hábitos saudáveis.

De acordo com os especialistas, a educação alimentar é uma das principais ferramentas para entrar em forma, e a mudança de hábito não começa na academia ou no consultório – e sim, dentro de casa.

Durante esta semana iremos mostrar os 50 erros mais comuns na alimentação do brasileiro e orientações simples de como evitar estes hábitos.
De acordo com Luis Claudio Benevenuto, nutricionista e professor da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), “ ... é melhor perder três quilos em paz do que seis em sacrifício”. E é nas pequenas mudanças que os quilinhos vão diminuindo na balança.

Confira.


1. Não tomar café da manhã
Algumas pessoas não têm tempo para tomar o café da manhã, outras, simplesmente não têm fome. Depois de um jejum de, no mínimo, seis horas, o corpo precisa de energia para seguir suas atividades. De acordo com a nutricionista Paula Castilho, a primeira refeição do dia é essencial. “Assim, damos energia para que o corpo possa funcionar e evitamos quadros de hipoglicemia e mal estar”, ressalta.


2.Tomar muito café ao longo do dia
Um cafezinho fresco é algo irresistível para boa parte dos brasileiros; ele quebra a rotina e representa uma pausa agradável entre as tarefes do dia. Mas como tudo em excesso é prejudicial, com ele também não poderia ser diferente. “O café é bom para o coração, é energético, porém, tem cafeína, que em excesso pode fazer mal para o organismo, principalmente para quem tem histórico de pressão alta. Além disso, o café pode dar celulite ou acentuar o quadro. Uma xícara de café pequena por dia é o suficiente”, indica Paula.


3. Cortar o carboidrato radicalmente da alimentação
Essa é uma técnica que algumas pessoas usam tentando emagrecer alguns quilinhos. Segundo a nutricionista Elaine de Pádua, a primeira resposta do corpo é mesmo o emagrecimento. Mas depois de certo tempo, começam os problemas. “A falta de carboidrato pode causar uma fadiga muito grande, a pessoa vai ficar completamente sem energia, apática, cansada, pode ter queda de cabelo, enfraquecimento das unhas e mau humor.”
Ela indica que, o ideal, é incluir um carboidrato em todas as refeições, mas sempre de maneira equilibrada. “Escolher o tipo de carboidrato é melhor do que tirar: legumes, frutas, verduras, grãos integrais, aveia, linhaça, e arroz integral são alimentos que têm uma quantidade adequada de fibras e isso também ajuda a pessoa a perder peso”, ressalta.


4. Pular refeições
Com a correria do dia a dia, pular uma refeição acaba sendo um erro bastante comum. “Devemos comer de três em três horas para fazer com que o organismo entenda que ele não vai ficar sem energia, assim, evitamos com que ele armazene em forma de gordura ao invés de queimar”, explica Paula. O indicado é tentar fazer, em média, uma refeição a cada três horas, sempre com opções pouco calóricas.


5. Não comer verduras e legumes
Segundo Luis, o fato de não inserir legumes e verduras é prejudicial porque o corpo terá uma menor ingestão de fibras. “As fibras ajudam com a sensação de saciedade. Se a pessoa não ingere fibras, vai acabar comendo outras coisas que não deveria. Além disso, elas controlam o colesterol, a glicose no sangue, e funcionam como um fator protetor.”
O ideal, segundo o especialista, é que o hábito seja incentivado desde a infância, mas, caso isso não seja possível, uma dica é tentar ir incluindo mais opções no prato gradativamente, até identificar quais são os legumes e verduras de preferência.


6.Comer muita pimenta
Para quem gosta de uma boa pimenta, não há limites para ardência. E, segundo a nutricionista Livia Hasegawa, até certo ponto a pimenta pode até ser benéfica, porque possui substâncias antioxidantes. “Além disso, a pimenta vermelha é termogênica, ou seja, tem um efeito de acelerar o metabolismo”. Mas o excesso não é recomendado. “Para algumas pessoas, pode levar a alterações no estômago, a uma gastrite ou piora da mesma. Portanto não é ruim consumir, mas isto vai depender da pessoa e da quantidade”, explica a profissional.


7. Comer um doce no lugar de uma refeição
“Nunca devemos trocar um doce por um prato de comida, o doce possui carboidratos simples que libera açúcar no sangue muito rápido. Além do aumento de peso, ele pode gerar picos de glicemia altos, gerando mal estar”, reforça a nutricionista Paula.


8. Exagerar nos alimentos light
Muita gente se joga nos alimentos light sem ao menos ler a tabela nutricional presente na caixinha. De acordo com Paula, o principal problema dos alimentos light é a quantidade de sódio. “Sempre olhe no rótulo e veja se o sódio é menor do que 100 mg. O sódio ajuda na retenção de líquidos, aumento de pressão e estética defeituosa do corpo como a celulite. Tudo o que não é consumido com moderação na quantidade e horário certo, faz mal para a saúde”, ressaltou.


9. Dieta da sopa
Quem quer emagrecer rapidamente muitas vezes acaba cortando de vez os alimentos sólidos. Mas segundo os especialistas este tipo de restrição pode acarretar uma série de problemas. “Se você comer só sopa, não está trabalhando a mastigação, que é o momento em que o corpo libera uma série de substâncias e enzimas importantes e manda a mensagem para o cérebro da saciedade”, explica Elaine. Outro problema é a dificuldade de manter esse padrão de alimentação em longo prazo. “Uma dieta restritiva faz com que a pessoa volte fazer tudo errado e até pior”, ressalta. Para quem gosta de tomar uma sopinha a noite, a especialista ressalta que é importante que a sopa tenha um pouco de consistência. Ela dá como dicas ingredientes como flocos de aveia, quinua, castanha-do-pará, arroz integral, além de legumes e folhas.


10. Comer muita carne vermelha
Comer carne vermelha em excesso também é um erro comum, especialmente para pessoas que não gostam muito de frango ou peixe. “A carne vermelha possui gordura saturada, isso faz com que o organismo aumente as taxas de colesterol e pode também gerar doenças cardiovasculares com o entupimento de veias. O ideal é consumir carnes magras de duas a três vezes na semana”, reforça Paula.




Fonte : blog do Dr Barakat

Um comentário:

  1. Já me vi em pelo menos 4 erros!

    aff...

    Abraço do Pedra do Sertão

    ResponderExcluir

Por favor ... deixe seu comentário.