4 de novembro de 2011

Um absurdo não é verdade?



Recentemente estive nos Estados Unidos para fazer o enxoval da minha filha que está por vir.
Fiquei impressionado com a quantidade de brasileiros nas lojas especializadas em artigos para bebês que encontrei.

Era gente comprando carrinho, andador, cadeirão, mamadeira, chupeta, baba eletrônica, cadeira para carro, roupas, berços e até poltronas e armários..... carrinhos sempre transbordando de coisas.


Os preços realmente são muito melhores que os que encontramos no Brasil ao ponto de valer a pena gastar com passagem, hospedagem, transporte e eventuais gastos com excesso de bagagem.
De acordo com informações do banco central, o brasileiro ja gastou mais de US$ 10 bilhões de dólares fora do país em 2011 e deve bater o recorde histórico que foi em 2010 com mais de US$ 16,4 bilhôes.
Como pode ???




Como eu trabalho com importação, fica fácil fazer uma continha simples .... Computando o dolar na faixa de R$ 1,80 e colocando todos os impostos e despesas para importar produtos para bebê, um produto que custa 100,00 dólares vai chegar aqui no Brasil por quase 380,00 reais. Se colocarmos a margem de lucro do importador e a margem de lucro do lojista este produto chega ao consumidor final por aproximadamente 980,00 reais ... 
Só o imposto de importação é de 35% e ainda tem que somar ICMS, PIS, COFINS . . . . .
Um absurdo não é verdade?

Na polícia federal do aeroporto de São Paulo a fiscalização é rigorosa para pegar os turistas que extrapolam nas compras e também os "sacoleiros" que trazem de perfume a televisão e de creminhos da Victoria´s secret a roupas da Abercrombie, levi´s, Guess, Gap e Tommy, mas muitos passam batido.
Os famosos "sacoleiros" sempre tem o famoso "jeitinho brasileiro" para trazer as "muambas" e a fiscalização não consegue pegar.


Agora vem a minha pergunta ... Por que não reduzir a carga tributária e tornar estes produtos mais competitivos aqui no Brasil?
Acredito que o preço de venda no Brasil não precisaria ser o mesmo que nos Estados Unidos, mas que fosse mais próximo até por que, aqui temos a facilidade de fazer o pagamento parcelado, em reais e de ter garantia do produto.

Não acredito que a melhor maneira de encarar a situação seja barrando a entrada das "muambas" mas sim uma reestruturação na política fiscal para que os importadores tenham mais condições de competir.



7 comentários:

  1. Isso é pergunta de rico. Absurdo é a dificuldade de aceso a uma educação boa ou a saúde publica de qualidade. Isso não é um absurdo, é só um probleminha econômico.

    ResponderExcluir
  2. Olha, o que salvou o brasil da crise mundial foram os impostos e jurus alto, tudo bem q isso eh uma merda mas quando o mercado parou de comprar o brasil reduziu um pouco os tributos para estimular a economia, medida q deu certo (além de ser uma ótima estratégia). Essa é uma vantagem de ter tributos altos.

    ResponderExcluir
  3. Se o Brasil fizesse uma política fiscal incentivando a importação o país seria o prejudicado, consequentemente você. Por que aumentaria as importações diminuindo o saldo da balança comercial o que faria com que a demanda agregada caisse o que faria com que caisse o consumo, a produção e o nível de emprego. E diversas outras consequencias ruins.
    Também acho um absurdo o tamanho da diferença nos preços mas a atitude a ser tomada é incentivar a produção nacional de produtos similares ou incentivar a instalão dessas marcas no brasil e não facilitar a importação.

    ResponderExcluir
  4. Dadinho, você não entende nada de economia, né? Já ouviu falar de PIB, de IDH? O(a) autor(a) do post pode não ter argumentado adequadamente, mas o assunto é válido. Poderia não diminuir a carga tributária dos importados, mas poderia diminuir a interna, o que aumentaria a competitividade dos NOSSOS produtos internos com relação aos importados, ou seja, nossos produtos ficariam mais baratos e consequentemente ninguém precisaria sair do país pra comprar. E de quebra, veja só, as empresas brasileiras teriam condições de investir em tecnologia em alguns segmentos com baixo valor agregado e produzir produtos competitivos também em qualidade, haveria mais empregos e muito mais gente teria condições de dar melhor educação aos seus filhos (não só educação formal, educação cultural). É um círculo virtuoso que gente que fica nessa ladaínha de "eu não preciso saber de impostos, preciso que o governo me dê escola e hospital" nem sabe que trabalha ao seu favor. Gente que não se preocupa com economia e não percebe as cagadas que o governo faz com a arrecadação desses impostos, nem lembra em quem vota e só se preocupa se o timinho X ou Z ganhou o campeonato nacional.

    ResponderExcluir
  5. Dadinho, você vive em função de lutar por boas escolas públicas, bom atendimento no SUS e etc??
    Acho que não, né? Quando você comprou o computador que você usou pra mandar essa msg sem fundamento, você pensou em pegar o dinheiro e dar pra algum hospital? Ou pensou em dar esse computador pra alguma escola pública???
    NÃO NÉ?????
    Então porque o cara não pode falar que os impostos de importação são absurdos???

    Ah, é muita, mas muita hipocrisia...

    Porque não se pode falar de comprar no exterior, que é coisa de rico que não se preocupa com saude e educação do país....


    Mas pode comprar computador pra encher o saco.

    ResponderExcluir
  6. O Brasil que se foda....ainda vou embora daqui!!

    ResponderExcluir
  7. Amigos ....
    O intúito do post foi demonstrar que se o Brasil quiser este monte de dinheiro que está sendo deixado lá fora pode ficar por aqui mesmo ......
    A grande sacada é ter produtos aqui no Brasil que tivessem competitividade ... trazer as marcas que não temos aqui e dar oportunidade de montar filiais, fábricas e centros de distribuição mas com preço justo na ponta do comércio.

    ResponderExcluir

Por favor ... deixe seu comentário.