10 de agosto de 2010

Estatuto do homem e da vida.


Art. 1: Fica decretado que agora vale a verdade, que agora vale a vida e que de mãos dadas trabalharemos todos pela vida verdadeira.

Art. 2: Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive as terças-feiras mais cinzentas, têm direito a converter-se em manhãs de domingo.

Art. 3: Fica decretado que, a partir deste instante, haverá girassóis em todas as janelas, que os girassóis terão direito a abrir-se dentro da sombra; e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro, abertas para o verde onde cresce a esperança.

Art. 4: Fica decretado que o homem não precisará nunca mais duvidar do homem. Que o homem confiará no homem como a palmeira confia no vento, como o vento confia no ar, como o ar confia no campo azul do céu.
Parágrafo único: o homem confiar no homem como um menino confia em outro menino.

Art. 5: Fica decretado que os homens estão livres do jugo da mentira. Nunca mais será preciso usar a couraça do silencio nem a armadura das palavras. O homem se sentará à mesa com seu olhar limpo porque a verdade passará a ser servida antes da sobremesa.

Art. 6: Fica estabelecida, durante dez séculos, a prática sonhada pelo profeta Isaías, e o lobo e o cordeiro pastarão juntos e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.

Art. 7: Por decreto irrevogável fica estabelecido o reinado permanente da justiça, e a alegria será uma bandeira generosa para sempre desfraldada na alma do povo.

5 comentários:

  1. Olá Erich!
    O dia em que esse estatuto estiver em vigor e as pessoas o respeitarem, acho que finalmente encontraremos a paz!
    Muito bom post! Parabéns!
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  2. Esse não gostei tanto, mas seus textos são ótimos, escreve muito bem.

    abç
    Pobre Esponja

    ResponderExcluir
  3. erich bom ter te conhecido e saber de vc RESPEITO FAZ AS COISAS NO MONDO SE ARMONIAREM E É SÓ ISSO QUE FARA DOS HOMENS SERES DIGNOS NO UNIVERSO vc meresce o meu respeito e é de coração.

    ResponderExcluir
  4. num foi ele que escreveu foi
    Thiago de Mello

    ResponderExcluir

Por favor ... deixe seu comentário.