12 de abril de 2010

Os royalties do pré-sal e a chantagem carioca



Político é um bicho sem vergonha!

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho (PMDB), e o prefeito da cidade maravilhosa, Eduardo Paes (PMDB), têm contado uma cantilena pra lá de mentirosa. Segundo eles, a emenda Ibsen Pinheiro (PMDB-RS), que prevê a redistribuição dos royalties do petróleo extraído do pré-sal de forma igualitária entre todos os Estados e Municípios brasileiros, é um “assalto” aos Estados produtores do petróleo, em especial o Rio de Janeiro.

Para tanto, afirmam que, com as receitas que o Estado do Rio de Janeiro e sua capital deixarão de arrecadar com a nova distribuição dos royalties do pré-sal, será inviável a realização das Olimpíadas de 2016. Pura chantagem, das mais rasteiras!

Isto porque a descoberta do pré-sal, ainda sem confirmação de que o óleo dele extraído fosse de fato rentável, data de novembro de 2007. Já a candidatura do Rio ás Olimpíadas de 2016 foi oficializada em setembro de 2007. Sendo assim, não se pode dizer que a referida candidatura, posteriormente vencedora, fora galgada sobre os recursos do pré-sal.

Além do mais, ainda que seja compreensível que os políticos cariocas defendam seus interesses, a emenda Ibsen Pinheiro está longe de ser o escândalo aludido pelos representantes fluminenses. O petróleo da camada pré-sal – situado a 300 Km da costa brasileira - ou quaisquer outras riquezas naturais são, acima de tudo, patrimônio do povo brasileiro. Nada mais justo, portanto, que suas benesses sejam distribuídas de forma equânime para todos nós.

A arrogância dos Estados produtores se coaduna com o histórico brasileiro de discriminação e exclusão de boa parte da sociedade brasileira. Àqueles menos afortunados, reservam-se migalhas. Não por acaso, temos um desenvolvimento disforme, com algumas regiões prósperas e diversas em estado de extrema pobreza.

O curioso, entretanto, é que é este processo histórico de desenvolvimento desequilibrado que faz com que algumas cidades tenham milhares de habitantes, muito além da capacidade racional, e outros vivam as mínguas, fruto de um processo migratório interno voltado à busca de melhores oportunidades nos principais centros econômicos.

E é exatamente neste caso que se insere a ocupação da cidade do Rio de Janeiro. Com uma alta densidade demográfica, a ocupação de áreas de risco, como as encostas dos morros cariocas, acaba sendo a única solução de muitos destes emigrados, ou mesmo das camadas pobres nativas da cidade, atingidos pela exclusão e desigualdade característica dos grandes centros urbanos.

Daí não adianta culpar a chuva, não é governador?!

Por : Pedro Rossi

11 comentários:

  1. Olá!
    Estou adorando as suas reflexões em âmbito político,mais que isso é uma forma de cidadania.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Concordo quanto ao fato da imigração, isto prejudicou muito o estado do Rio de Janeiro e ainda prejudica, surgindo daí as favelas, mas não tem como comparar as necessidades do Meu estado como por exemplo: ao Rio Grande do Sul, onde não há tantos habitantes e boa parte da população do estado vive da agricultura e criação de gados. falam agora tanto do pré-sal, mas será que tudo que traz grandes lucros ao país é repartido de igual forma?
    cidades pequenas necessitam menos e cidades grandes, mais!
    sou a favor de repartir, mas não para todos os estados, apenas para o nordeste, pois é o que mais necessita, e são os que mais saem de suas terras atrás de oportunidade, atravancando cidades grandes, como o Rio de Janeiro.
    E mesmo que reparta o dinheiro com o nordeste será apenas uma forma de perde dinheiro, pois os políticos de lá, só sabem roubar, por isso que não progridem em nada e muitos lá estão sem luz e água até hj, má gestão dos governantes deles. PQ a população de outros estados, motivados por políticos não se revoltam quanto a isso, e pensem em algo que se possa fazer naquela terra?!

    ResponderExcluir
  3. Nossa finalmente um texto sobre o assunto em que eu concorde. Eu morro no Rio e o que mais vejo são correntes e abaixo-assinados contra o acordo do pré-sal.
    Eu realmente que deve ser dividido com todo mundo, a final o Brasil é um país não uma união e repúblicas.

    ResponderExcluir
  4. Chega a ser ridículo essas pessoas que querem que seja dividido, se for assim então pede pros Estados produtores de minerio dividir o dinheiro com os outros estados.

    ResponderExcluir
  5. Que bom ver que alguem ainda tem bom senso, eu ate entendo o fato do RJ não querer dividir, mas não é justo não dividir ja que a petrobras que é a empressa que cuida do pre sal é de todo pais, ja não basta os empregos revertidos pra lá e o imposto que entra? Esse é um grande problema do Brasil, cada estado só ve o seu lado e ninguem se une, parece ate que estamos vivendo em confederações...é por essa e por outras que estamos encalhados em puro caos, onde politicos fazem o que querem com o dinheiro publico...

    ResponderExcluir
  6. Exatamente, o material petróleo e a empresa extratora Petrobras são patrimônios do povo brasileiro.

    Brasileiro reclama que os ricos ficam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.

    Pois então o pré-sal é a chance de dar um pouco de riqueza aos pobres.

    Se comparármos o Rio com o sertão nordestino, o Rio tem inúmeras fontes de riqueza que o sertão não tem nem nos sonhos.

    Citando apenas algumas fontes de riqueza no Rio, o turismo que tem fama mundial, grandes empresas nacionais e internacionais, e uma bela duma Rede Globo que trata de "agilizar" muitas coisas por lá.

    Enquanto no sertão, não existe nada disso. Por lá beber um copo de água potável é uma benção.

    Pois bem Rio, tome vergonha nessa cara de bandido, vocês tem riquezas do nível de São Paulo, sem contar a grana preta que será injetada por causa das Olimpíadas.

    A manipulação é tanta que o Rio promoveu um show gratuito com vários artistas para atrair várias pessoas, e com isso a Globo informou que aquilo era a expressão do povo em defesa do pré-sal.

    Imaginem se os poços de petróleo fossem descobertos lá no sertão nordestino... Imaginem se o Rio não iria mudar o seu discurso e fazer o maior rebuliço para abocanhar a maior fatia possível desse dinheiro, mesmo já tendo todos os privilégios geográficos e econômicos...

    O Rio deveria ser penalizado por atrapalhar o desenvolvimento do país.

    Mais do que isso, essa atitude do Rio é um verdadeiro crime. O Rio expõe de maneira pública e explícita sua mentalidade mesquinha, egoísta e anti patriota.

    ResponderExcluir
  7. O Rio sempre foi um estado "queridinho da américa", sempre teve riqueza, pois está no sul e sudeste do país, uma área privilegiada. Sua política é interioranda e egoísta, já não basta todo R$ que tem e que vão roubar nas olímpiadas, ainda querem o pré-sal. Deveriam enfiar todo seu preciso R$ naquele lugar. Mas no fim dos tempos todo o seu R$ e luxúria ñ irá salvar nenhum deles!

    ResponderExcluir
  8. Belo Texto meu velho.
    Gostei da articulaçao dos argumentos e da sintetizaçao das ideias sem perder o foco
    Parabens

    ResponderExcluir
  9. Cara eu acho isso um assunto discutivel, tudo bem eu sei que os royaltes deveriam ser divididos igualmente, mas tbm se eles forem divididos todos os royaltes tbm deveriam ser dividos certo pois o Rio Grande do Sul recebe royaltes de Itaipu.Para,Tocantins,Minas e Sergipe pela extração de minerio.Então dividir somente os impostos do pré-sal eu acho sim de certo modo o Rio está perdendo com isso.

    ResponderExcluir
  10. Se for assim concordo com quem disse acima, temos que repartir todos os lucros de todos os estados! Por que só o Rio tem que repartir o o petroleo? Vamos repartir os royalties de todos os estados também! Como diz o meu pai "farinha pouca meu pirão primeiro"

    ResponderExcluir
  11. O impacto social acontece nos estados produtores.
    O impacto ambiental acontece nos estados produtores.
    LOGO os royalties são dos estados produtores. Além disso, como disseram, apenas royalties referentes ao pré-sal devem ser divididos?
    Texto com argumentos irrelevantes à discussão.
    Um abraço;

    ResponderExcluir

Por favor ... deixe seu comentário.