27 de abril de 2009

Viciosidade do Sistema Político Brasileiro


Leiam abaixo a coluna de Clóvis Rossi no jornal Folha de S.Paulo – Seção Opinião – 22/04/2009.

Até tu, Gabeira?

Sou um admirador de Fernando Gabeira desde muito antes de seu envolvimento com a política partidária. É um extraordinário repórter, escreve muitíssimo bem e quem, como eu, vive há 45 anos de fazer reportagens e escrever (não tão bem quanto ele), só pode admirar os mestres.
Na política, ele manteve alta a cota de admiração, pelo que diz, pelo que faz, pelas teses que levanta, pela combinação de sensatez e firmeza com que as defende.
Por tudo isso, imaginei que ao menos ele não se deixaria levar pela onda de abusos que toma conta do Congresso Nacional.
Os mais condescendentes dirão que o pecado de Gabeira (usar passagens da Câmara para parentes) é menor. Dirão também que ele admite o que chama de "erro".
De acordo, é melhor do que a absoluta e indigna cara-de-pau que vestem todos os demais pilhados em algum tipo de irregularidade, em geral bem mais gorda.
O triste no caso Gabeira é o que revela da, digamos, cultura da Casa. Os congressistas habituaram-se, primeiro, com privilégios de corte, que não fazem o menor sentido.Depois, como decorrência do anterior, habituaram-se a abusar até dos privilégios.
Já escrevi aqui que o que os mortais comuns consideramos absurdo, obsceno, cínico, revoltante, os congressistas consideram normal-e, pior, espantam-se ou se revoltam com o espanto e a revolta de massa de nós outros.
Não creio que Gabeira tenha usado indevidamente passagens para parentes por má-fé. Errou porque está inserido em uma cultura podre. É preciso estar muito alerta para não cair em erro.Agora, anuncia a renúncia à política se não conseguir derrubar alguns dos privilégios dos congressistas.
Uma colossal maioria de brasileiros já renunciou à política faz tempo. Não resolve nada, mas que dá vontade, dá.

Uma prova cabal de que o sistema político brasileiro é vicioso.
Não que seja o maior de todos os males.
Afinal, caráter e honestidade não se corrigem com leis, regras, arranjos institucionais...
Mas que a estrutura política brasileira é viciada, isto é.
A cultura podre da Casa (Congresso Nacional) se faz dos políticos malfeitores cara-de-pau e das regras e regimentos internos que a governam.
Aos políticos malfeitores cara-de-pau, a solução é o veto eleitoral.
Tão difícil quanto procurar agulha em palheiro, é verdade. Pois o veto eleitoral aos malfeitores requer o voto em um cidadão minimamente decente.
Aos defeitos e imperfeições da estrutura política brasileira, reforma política já!
Não que ela seja suficiente à moralização política. Mas, claramente, se faz necessária.


Por : Pedro Rossi

2 comentários:

  1. Não adianta odiar política, pedir reforma, se cada um, eu, você, não fizermos a escolha certa na hora de votar. Eles estão lá porque alguém votou neles.. e não adianta dizer "eu não fui", se não foi você, foi alguém que você conhece, pois foi a maioria. Você tentou mostrar a alguém como escolher em quem votar? O voto é a nossa arma.

    ResponderExcluir

Por favor ... deixe seu comentário.