30 de setembro de 2008

Dia da Mentira... (antes fosse!).


São Paulo, 1 de abril de 2008.

‘Puta merda, a porcaria do rádio relógio não tocou, deve ter acabado a luz durante a noite. Caralho, to super atrasado!’
Levantei num pulo e fui direto pro banheiro, arriei as calças e dei uma longa mijada que parecia não ter fim. ‘Já mijei umas 4 latas, fez até colarinho’ pensei ainda sonolento.
Escovei os dentes e invadi o quarto a procura das minhas roupas que, para minha surpresa (e desgraça) não estavam onde de costume.
‘Droga, esqueci de separar a roupa ontem!’.
Abri as portas do armário e fui pegando logo o que estava à frente, nem me preocupei com nada (mas deveria... deveria ter acendido a luz). Me senti o verdadeiro super-homem na cabine telefônica, mas estava pronto, pronto para ‘voar’ rumo ao trabalho. Meu atraso já alcançara picos! Peguei minha pasta e corri na direção da porta de entrada. Mas, ao atravessar a sala de jantar me deparei com a coisa mais ridícula que já havia visto até então, era eu, me olhando no espelho. Calça marrom coco, camisa azul calcinha, sapatos pretos e cinto... ‘Droga, esqueci a porra do cinto!’ ‘Vai sem mesmo!’
Entrei no carro e sai acelerado, implorando a todos os santos e pais de santos para que o trânsito estivesse bom. Porém, eu havia me esquecido de um pequeno, mas importante detalhe. Eu moro em São Paulo!
Logo na saída de casa, tudo parado! E por sair de casa nessa puta correria, nem café da manhã pude tomar. A fome tava estalando. O trânsito andava igual marchinha de carnaval, e eu tava no ‘olho’ do folião. Decidi então tentar um caminho alternativo, peguei a primeira saída da avenida principal e fui pelo bairro, naquelas ruazinhas que até uma 4x4 afrouxa. Eu, com meu Chevet Hatch ano 89, tração de jegue e direção braçal, seguia na maciota por àquelas ruas apertadas, tinha hora que ouvia até o assoalho gemer (o que sobrou dele), mais um pouco e virava o carro dos Flinstones.
Há propósito, além de atrasado, eu não tinha como ver as horas. Tenho o costume de tirar o relógio do pulso antes de me deitar, e adivinhem só? Ficou em casa, fazendo companhia pro cinto (que por sinal tava fazendo uma falta), pois minhas calças deslizavam para baixo e a camisa já estava metade pra fora.
Continuei meu trajeto, o ‘atalho’ estava dando frutos e, apesar das tantas adversidades, suspirei fundo e mantive a empáfia que ainda me restava. Faltava pouco! Mais uns 10 minutinhos e ‘voilà’, chegaria ao trabalho, ao bendito trabalho.
De repente, trancos e solavancos. Um forte estouro e...
Era o que eu temia, meu Chevet Hatch batera as botas!
Olhei para cima e roguei:
- Senhor, piedade...
Estava a duas quadras da empresa e não havia outra escolha a não ser ir andando. Empurrei o falecido até a faixa da direita (um motoboy ajudou) e o deixei ali mesmo.
Segui o caminho a pé! Eu e meus 1,93 de altura (parecia um boneco de Olinda), trajando aquelas vestes ridículas, com àquela calça que mais parecia ter sido cagada por alguém.
Apesar da garoa fina, apertei o passo e finalmente consegui avistar o prédio da empresa. Porém, quando achei que as coisas não poderiam ficar pior... o ditado se fez verdade: ‘Desgraça pouca é bobagem!’
A minha ‘linda’ camisa azul calcinha, de tão azul e clarinha que era ficou transparente devido àquela garoa fina (naquele baita frio) fiquei com os ‘faróis’ ligados e parcialmente desnudos da cintura pra cima.
Entrei as pressas na empresa e tomei a direção do elevador. Apertava o botão impacientemente rezando para que nenhum conhecido aparecesse naquele momento e compartilhasse da minha ruína. Mas, aquela ‘carroça’ de lata não chegava e resolvi um tanto relutante ir pelas escadas.
Ohhh cretina decisão! Havia caminhado duas quadras e minhas pernas (avariadas pela idade) já não possuem a mesma tenacidade da juventude, foi como tentar a São Silvestre sem jamais ter feito ‘Cooper’ na vida. Oito andares! Por pouco não me juntei ao falecido Chevet. Tentei chegar a minha mesa sem que ninguém me notasse (juro que tentei), mas todos os meus colegas já haviam chegado e me aguardavam para uma importante reunião com a diretoria, comunicada as pressas, da qual soube naquele momento. Quando me viram, ou melhor, quando pararam de rir, o silêncio tomou conta do local e uma voz sobressaiu ao fundo:

- Ihhh gente, chuta que é macumba...

E novamente uma série de gargalhadas ecoou pelo andar. Eu só queria cavar um buraco e me enterrar ali mesmo, mas fingi que não era comigo e fui ao banheiro em busca de um pouco de dignidade. Usei todas as folhas de papel toalha para me secar, ajeitei a camisa para dentro da calça e... Nãooooo! Só pode ser brincadeira! Um charuto de merda esmagado na sola do meu sapato esquerdo. ‘Eu devo ter sido um filho da puta em outra vida’, não conseguia pensar numa outra explicação. Como não havia mais papel toalha, a única idéia que me ocorreu foi vasculhar minha carteira em busca de cartões de visitas, daqueles feitos com cartolina. Para minha sorte (piada, né?), encontrei dois deles. Minhas duas ‘espátulas’ removedoras de merda!
Com a destreza de um confeiteiro, removi o que foi possível daquele belo bolo de merda. Saí do banheiro sorrateiramente e, como já não era sem tempo, uma boa notícia: ‘Cancelaram a reunião! Todos de volta ao trabalho’.
Aproveitei a dispersão e ligeiro fui para minha baia, contando as horas para que esse dia, que não foi de mentira, chegasse ao fim.


Por:
Rafael C. Wicher

45 comentários:

  1. Rafa meu querido, de todas suas crônicas esta foi a melhor...
    Quem nunca passou por isto em São Paulo??...rs
    Parabéns...você é sucessOOO!!!
    Abraços ARI*

    ResponderExcluir
  2. Dia dificil esse viu...
    kkkkkkkk
    eita, dias assim parecem que não vão acabar nunca.
    Gostei.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Gostei do conto, e sou crítico literário. Alguns percauços, mas nada que interfira na qualidade.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Que delícia de crônica, que narrativa gostosa.. eu tou rindo muito .......

    ResponderExcluir
  5. Putz..
    Que dia, hein?!
    A verdade é que rendeu uma bela crônica.. Deliciosa de se ler

    ;D

    bjus

    ResponderExcluir
  6. Nossa
    Que diaaa! Que diaaa!!

    http://mundop-o-p.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. jah conheço o blog..

    mto bom!

    passa no meu

    ResponderExcluir
  8. Oi Rafa
    a cronica está uma verdadeira comédia... rs! ADOREI!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. QUe dia de fúria!!!
    Apesar de ter sido engraçado pra mim, deve ter sido mesmo o fim da picado ou como alguém explica achar sorte por ter dois cartões de visita na carteira?

    Foda!

    ResponderExcluir
  10. uhsahusahusah ainda bem q eu num tenho esse tipo de problema!

    ResponderExcluir
  11. que dia ein amigo.. rsrs

    abraço e parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  12. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Nossa que dia hem??
    quem mora em uma cidade como SP. já deve ter passado por dias assim .. mas vc descreveu de um jeito .. muito ilario .. apesar que temos o costume de rir da desgraça do outro .. srsrs

    me desculpe eu tb não fujo a regra... srsrs
    amanhã é outro dia e será melhor .. esperamos ... kkkkkkkkk

    Bjs...

    ResponderExcluir
  13. Há dias que são ruins. Mas há dias que são piores. Parabéns, você conseguiu uma categoria superior à esta segunda.

    Deveria haver um prêmio para isso.

    ResponderExcluir
  14. muito bom.....

    eu adoro esse blog

    :)

    ResponderExcluir
  15. Legal!

    acho que todos tem dias assim.

    ResponderExcluir
  16. essa eh a melhor forma de encarar a vida como ela eh.....fazendo dos momentos de desgraça, piadas para serem lembradas a qualquer hora de uma forma gostosa....
    claro que nenhum de nos quer virar um "comediante" de primeira escala....massss, melhor do que soltar o verbo

    parabens meninão

    ResponderExcluir
  17. caramba, chuta que é macumba mesmo. Muito bom o texto, gosto muito de vir aqui te visitar, sempre tem algo interessante. E o carango, quer vender?

    ResponderExcluir
  18. Dia de Cão hem meu brother?

    Se bem que, todos tem um dia assim...

    ResponderExcluir
  19. Noossa, A-M-E-I seu post uhauhahuahua
    muito muito bom, dei muita risada
    Dá pra fazer um filme =)))

    beeijos

    ResponderExcluir
  20. Hahahaha!
    MUITO BOM!
    Concordo com o comentário da Gabi, isso dá um filme!
    Muito engraçado mesmo!
    E pior que tem dias assim que nada dá certo...
    Abços

    ResponderExcluir
  21. muito bom!!!!
    Adorei, aida estou morrendo de rir aqui... que sufoco, hein?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Nossa!
    Espero que um dia desses nunca apareça para mim!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  23. gosto mt do seu blog!!
    parabéns!!

    http://como.sera.zip.net/

    bjim*

    ResponderExcluir
  24. UAU!

    texto sensacional, bem escrito e narrado. Sou dono de jornal e fiquei impressionado.

    Parabéns

    http://rockmundo.blogspot.com

    (se quiser parceria manda uma mensagem)

    ResponderExcluir
  25. cara vc ve maseratis quase todo dia então

    caramba que sortudo

    ResponderExcluir
  26. acho q pra qm tm basstant esperiencia vc tm ament fechada
    bom e parece q qr se gabar pra mim
    é a primeira vez q me interesso por blogs e eu meu primeiro escrevo des dos 12 anos leio bastant
    minha mente é imaginativa
    escrevo mais no papel e tnho 17 anos
    nao sou top e nem um lugar

    ResponderExcluir
  27. Ótima crônica, fiz uma lá, da uma olhada ver se vc gosta.
    Abraço

    ResponderExcluir
  28. to devendo um comentario bom to sem tempo

    ResponderExcluir
  29. Isso que eu chamo de sufoco, ufa !
    Rotina difícil , ainda bem que a minha é fácil.

    Abraço
    Aceita parceria ?

    ResponderExcluir
  30. asuhaushuas não aguentei "to cagando de rir" kaosk :D

    que legal seu blog, vou te linkar.

    ResponderExcluir
  31. Se você fosse mulher, seria beeeeeeeeem pior!

    ResponderExcluir
  32. um grande erro é querer que os dias cheguem logo ao fim. só lendo blogs em menos de uma hora hoje, já vi essa frase pelo menos três vezes...

    ResponderExcluir
  33. HAHAHAHAHAHAAHAHA! Só estou rindo porque pimenta no olho do outro é refresco, rs. E na boa, puta guerreiro vc ein, eu tinha desistido na morte do chevet uahsuahsuahs.

    Texto muito bom, cara.

    ResponderExcluir
  34. É meu amor... Eu sou suspeita prá falar a respeito do que vc escreve, principalmente quando escreve prá mim... Alguém com um talento como o seu, com a sensibilidade e o realismo de passar para pessoas um pedaçinho delas mesmas é algo raro de se ver...
    Devemos apenas sentir e desfrutar dessa forma gostosa com as quais vc brinca com as palavras...
    Pois nessa brincadeira maravilhosa vc roubou meu coraçao, e maior que a pretençao de ser parte do q vc escreve só o previlégio de estar no seu coração... Eu amo mtu vc seu sucesso me realiza!!! Thaty

    ResponderExcluir
  35. MARCOS DIAS - BAIXISTA DA BANDA OVERSOUL30 de setembro de 2008 22:30

    ANIMAL!!!

    SALOMÃO SWARTZMANN que se cuide!!!! hauhauhauhuahuh

    boa rafa!!! keep working...

    vc tbm sairá da area de informática assim como eu!!!!! hauhauhuahuha

    abs do amigo

    Marcos!

    ResponderExcluir
  36. Hahahaha...powerquem! Aaah Erich! Muito bom...

    As festas? Vai abrir uma casa de flashback incriiivel na sexta, pode deixar que vou postar....td bem com vc?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  37. ahahahhahahahaha
    A-D-O-R-E-I.
    De vez em quando tenho um dia desses (menos a bosta no sapato)
    aahahahahhaa
    mmmmmuuuuuiiiito bommmmm

    ResponderExcluir
  38. Já disse alguém que não me lembro agora: "feliz aquele que ri de si mesmo, pois nunca deixará de divertir-se".
    Pelo menos esse dia conturbado lhe rendeu uma boa crônica.

    ResponderExcluir
  39. Mr. Wicher,
    ...uma salva de palmas...estou afogada nas minhas lágrimas ... E sentindo-me livre e feliz com minhas gargalhadas. Trabalho em um dos mais conservadores, e famosos escritórios de advocacia do RJ. No ambiente ... só ouvimos a respiração e o som dos teclados ... Todos concentrados...Ninguém ousa dizer uma palavra... Navegando pelo google, (sabe quando você digita algo no google e nem sabe o o por quê?! ) pois é, digitei Rafael Wicher... Ê... saudade ... e esta me conduziu à este presente ... Suas palavras entraram na minha cabeça e no meu corpo, me fazendo relaxar e gargalhar por horas...E quer saber? Ao meu redor , estão todos loucos pra saber!!! O por quê!

    Parabéns!

    As palavras são suas parceiras. Jogam no seu time. E fazem você vercer!

    ResponderExcluir

Por favor ... deixe seu comentário.